EM DIREÇÃO AO LESTE… ATÉ PUNTA DEL ESTE

Deixando Colonia, pegamos estrada rumo a Punta del Este.

IMG_8071

No caminho, ainda na região de Colonia, passamos pra conhecer uma fábrica de azeites de oliva, numa experiência nova… o Azeite Primavera sai de uma pequena fábrica, artesanal e familiar. Fomos recebidos pela proprietária e seu esposo, que nos explicaram o processo de produção (que é relativamente simples), nos mostraram as instalações, nos venderam umas latas de azeite (muito bom!) e nos deixaram tirando fotos da parte externa da fábrica e da propriedade… Detalhe: Eduardo, da Posadita (onde nos hospedamos em Colonia), agendou a visita, que é gratuita.

Fábrica de azeite La Primavera

IMG_6050

Também no caminho, decidimos passar em Nueva Helvécia, que se apresenta como sendo “Colônia Suíça”, em razão de ter surgido a partir de um povoado fundado por imigrantes suíços. Chegamos lá pensando encontrar, por exemplo, arquitetura suíça e produção de embutidos e queijos, incluindo o famoso queijo colônia. Mas a cidade foi um tanto decepcionante… apenas uma pracinha bonitinha pra algumas fotos e nada de queijaria… só na estrada e a muito custo encontramos uma aberta… mas conseguimos comprar nossa fatia de queijo… rsrs…
Seguimos adiante, deixando o oeste do país, em direção ao leste.
Já no leste, um outro desvio, desta feita pra conhecer El Águila, uma construção inusitada, fruto do desejo do empresário italiano Natalio Michelizz, erguida pelo construtor Juan Torres. Há muitas lendas envolvendo a construção, desde ser a sede de um laboratório de alquimia, até esconderijo na segunda guerra mundial. A história real, ao que tudo indica, é de que a construção foi fruto apenas da excentricidade do proprietário (decerto com grana) ao erguer uma casa na praia; e acabou abandonada após a morte de Natalio e sua amada. Hoje, a casa não está mais aberta aos visitantes, sendo possível conhecer apenas a parte exterior, que já é bem curiosa e dá uma visão privilegiada da praia. A construção não está em bom estado, embora haja notícia de que exista uma ONG para cuidar dela. A visita é gratuita e a construção está localizada na altura do km 43 da Ruta Interbalnearia; tem placa na estrada sinalizando a entrada.

IMG_8028
El Águila

Após algumas fotos, seguimos em frente… ainda uma última parada, que pra nós foi um achado: o supermercado La Tienda Inglesa. Uma megaloja, muito sortida, “con miles de artículos”, onde foi possível comprar sanduíches deliciosos pra matar a fome (ainda não havíamos almoçado) e lanchinhos para os próximos dias… fica em Atlantida, na altura do km 45 da Ruta Interbalnearia.

Primeiras visões de Punta del Este

Chegamos a Punta (finalmente!) ao entardecer e, após o registro no hotel, fomos direto pra região do porto, pra ver o pôr do sol… seguramente o mais bonito que vimos lá.

IMG_6075

Na volta pro hotel, uma paradinha no “La Mano”, ou “Los Dedos”, ou “Hombre emergiendo a la Vida”, ou “Monumento al ahogado”, a famosíssima escultura feita pelo artista chileno Mario Irarrázabal, que mostra cinco dedos parcialmente enterrados na areia e está localizada na Praia Brava. A escultura é interessante, vale uma parada, mas está sempre cheia de gente tirando foto…

IMG_8095

Dia seguinte, rumamos mais ainda pra leste, na direção de La Barra. Uma parada pra fotos na Puente Ondulado, uma das obras de engenharia mais notáveis e divertidas do Uruguay e que liga os balneários de Punta e La Barra.

Seguindo adiante, fomos até a Fundacion Pablo Atchugarry, uma instituição sem fins lucrativos, obra do escultor Pablo Atchugarry, inaugurada em 2007. Foi criada com o objetivo de promover as artes, buscando ser um espaço em que elas se integram com a natureza. Conta com galerias de arte, numa das quais estão expostas as obras de seu fundador, e também com um parque de esculturas a céu aberto, com diversas obras, de diferentes artistas e países, num ambiente tranquilo, ao redor de um lago. Na área aberta, ainda acontecem apresentações de música e dança, especialmente no verão. A fundação fica a 5 km de Manantiales e a entrada é gratuita. Maiores informações sobre como chegar e horário de funcionamento (que varia nos meses do ano), consultar o link.

IMG_8205
Fundacion Pablo Atchugarry

Obras de Pablo Atchugarry

A visita à fundação nos foi uma ótima experiência, além de tirarmos lindas fotos e podermos ficar completamente à vontade pra conhecer o lugar (quando chegamos, estava acontecendo uma visita guiada, mas não encontramos informações sobre elas; a administração da fundação estava fechada, quando visitamos, embora a área do parque e as galerias estivessem abertas). Nos lembrou o Inhotim (em MG), embora em medida bem mais reduzida. É uma atração que nos pareceu andar um pouco na contramão de Punta, tão badalada e cara. É um lugar de paz. Ainda que você não aprecie o tipo de arte, vale pela caminhada em contado com a natureza, pela oportunidade de experimentar algo novo e diferente do que normalmente se imagina ao pensar em Punta.

Depois de caminharmos e clicarmos bastante, passamos no Shopping de Punta pra comer… escolhemos um kebab bem gostosinho…
Passeamos, então, por Punta, conhecendo sua igreja (Parroquia La Candelaria), o farol (não vimos como subir), e fomos pra outra atração também diferente do clima do lugar: o Museo Ralli.

IMG_8224
Parroquia La Candelaria
IMG_8220
Farol de Punta del Este

O Museo Ralli Punta del Este, foi inaugurado 1988 e está situado no bairro de Beverly Hills, numa área com muita natureza, num parque que é parte da área do museu. O seu prédio foi projetado exclusivamente para o museu e com uma área construída de mais de 6.000 metros quadrados, contando com amplas salas de exposição e pátios interiores povoados de esculturas em bronze e mármore.
O museu é mantido pela Fundação Ralli, uma entidade privada sem fins lucrativos, com o objetivo principal de promover arte latino-americana contemporânea e que foi fundada por Harry Recanati, um banqueiro aposentado e colecionador, e sua esposa a Doutora Martine Recanati. Quando decidiu aposentar-se e vendeu seus bancos, Harry decidiu dedicar-se à arte e à cultura, criando cinco museus.

IMG_8236
Museo Ralli Punta del Este

Os pátios do Museo Ralli

O primeiro Museo Ralli fundado foi o de Punta del Este, seguindo-se outros em Santiago (Chile – 1992), em Cesarea (Israel – 1993), Marbella (España – 2000) e um outro também em Cesarea (2007), conhecido como “Ralli Museum 2”, dessa feita de arte clássica dos séculos XVI a XVIII.
A fundação Ralli foi a primeira do mundo na criação de museus em diversos países. A entrada é gratuita em todos os museus!
Os horários de funcionamento do Museo Ralli Punta del Este variam ao longo do ano e podem ser encontrados no site.

A visita ao museu Ralli foi uma outra experiência inusitada em Punta. O prédio é lindo e cheinho de obras de arte. Os pátios de esculturas são encantadores. O museu conta com diversas exposições permanentes, com obras de artistas como Botero e Salvador Dalí; além de exposições temporárias, sendo que, das que estavam acontecendo quando estivemos lá, gostamos muito das obras divertidas (e críticas) de Berly Cook. Foi uma tarde agradabilíssima!

Uma passada no shopping pra um sorvete na El Faro e seguimos pra Punta Ballena, mais especificamente pra Casapueblo.
Antes, uma pequena parada no Mirador de Punta Ballena (fica no caminho para a Casapueblo), com uma bela vista de Punta del Este e da Casapueblo… mas com muito vento também…

IMG_8308
Casapueblo, vista a partir do Mirador de Punta Ballena

A Casapueblo é o símbolo mais conhecido de Punta del Este… A antiga casa de verão do artista plástico e arquiteto uruguaio Carlos Páez Vilaró, hoje abriga museu, restaurante, hotel e galeria de arte e é um ponto de destaque quando se fala em pôr do sol.
Ao que se sabe, o projeto começou com uma pequena casa de lata, chamada de La Pionera, e que, ano após ano, foi agregando novos espaços, num trabalho que durou 36 anos e só foi encerrado com a morte do artista, em 2014. Vilaró tinha na casa o seu ateliê. O estilo da casa lembra as casas de Santorini, na Grécia; mas Vilaró associava a casa a uma obra de “forneiro”, o joão-de-barro.
Chegamos no local já no final da tarde e, embora fosse apenas início de dezembro, já havia bastante gente pra ver o pôr do sol. Achamos um pouco difícil conhecer o lugar, apreciar as obras da galeria e do museu (que conta também com uma homenagem ao filho do artista, sobrevivente a um acidente aéreo nos Andes, na década de 70), com tanta gente em tão pouco espaço. Imaginamos como seria no verão, alta temporada… Talvez seja melhor visitar o lugar num outro horário, mais cedo, pra poder aproveitar melhor. Apenas uma pequena área da construção é aberta ao público, porque o restante é dedicado ao hotel.

Ver o pôr do sol também não foi uma tarefa das mais fáceis… muita gente disputando pouco espaço. Quando encontramos um lugar, ficamos esperando, sem poder sair dali, sob pena de não encontrar outro espaço… E, pensando em fotografia, algo que gostamos muito, as fotos acabam sendo de um pôr do sol no mar, pois não há espaço pra muita composição.

Pegamos um pôr do sol um tanto diferente, com muitas nuvens, mas com uma abertura ao final, em que ele apareceu esplendoroso!

IMG_8393

IMG_8411

O toque especial fica por conta do que se chama “a cerimônia do pôr do sol”, onde os últimos momentos de descida do sol são acompanhados por uma gravação de um texto composto por Vilaró (narrado por ele mesmo; texto no final do post), em que ele agradece ao sol pela sua existência e se despede de mais um dia, tendo como fundo a música conhecida como Aranjuez Mon Amour (uma adaptação do segundo movimento, Adágio, do Concerto de Aranjuez, composto pelo espanhol Joaquín Rodrigo, em 1939). Um momento emocionante, em que mergulhamos na letra do poema de Vilaró e sentimos a gratidão profunda, pelo sol, por aquele momento, pela vida. Sem dúvidas, esse conjunto de música, poesia e pôr do sol faz valer a visita!

A Casapueblo fica a cerca de 16 km de Punta del Este e tem horários de funcionamento variáveis, dependendo da estação do ano; em geral, está aberto “hasta la puesta del sol”; checar no site . Quando estivemos lá, pagamos $250 pesos uruguaios, por pessoa.

…..

POSTS RELACIONADOS:

URUGUAY – UM ROTEIRO DE VIAGEM, COMEÇANDO POR MONTEVIDEO

CARMELO, CHARME E TRANQUILIDADE NO URUGUAY

COLONIA DEL SACRAMENTO… A JÁ QUERIDINHA DOS BRASILEIROS (E QUE FAZ JUS À FAMA)

PIRIÁPOLIS – A DESCOBERTA NO URUGUAY!

LAGUNA GARZÓN, JOSE IGNACIO E O CAMINHO DE VOLTA A MONTEVIDEO…

…..

* Este não é um post patrocinado. O espírito do blog é de narrar histórias e experiências, de forma que esse escrito reflete unicamente a opinião dos autores.

**Viagem realizada em novembro/dezembro de 2017.

*** Os preços informados foram relativos a dezembro/2017

…..

Ceremonia del Sol
Carlos Páez Vilaró

Hola Sol …! Otra vez sin anunciarte llegas a visitarnos. Otra vez en tu larga caminata desde el comienzo de la vida.

Hola Sol…! Con tu panza cargada de oro hirviendo para repartirlo generoso por villas y caseríos, capillas campesinas, valles, bosques, ríos o pueblitos olvidados.

Hola Sol…! Nadie ignora que perteneces a todos, pero que prefieres dar tu calor a los más necesitados, los que precisan de tu luz para iluminar sus casitas de chapa, los que reciben de tí la energía para afrontar el trabajo, los que piden a Dios que nunca les faltes, para enriquecer sus plantíos, y lograr sus cosechas. Es que vos, Sol, sos el pan dorado de la mesa de los pobres. Desde mis terrazas te veo llegar cada tarde como un aro de fuego rodando a través de los años, puntual, infaltable, animando mi filosofía desde el día que soñé con levantar Casapueblo y puse entre las rocas mi primer ladrillo.

Recuerdo que era un día inflamado de tormenta, el mar había sustituido el azul por un color grisáceo empavonado, en el horizonte un velero escorado afinaba el rumbo para saltear la tempestad, el cielo se llenaba de graznidos de cuervos en huida, la sierra se peinaba con la ventolera alborotando a la comadreja y al conejo.

Pero de golpe como un anuncio sobrenatural el cielo se perforó y apareciste vos. Eras un sol nítido y redondo, perfecto y delineado, puesto sobre el escenario de mi iniciación con la fuerza sagrada de un vitreaux de iglesia. Desde ese instante sentí que Dios habitaba en ti, que en tu fragua derretía la fe y que por medio de tus rayos la transmitía por todos los sitios donde transitabas. Los mismos brazos de oro que al desperezarte iluminan el cielo, al estirarse a los costados entibian las sierras, o apuntando hacia abajo laminan el mar.

Hola Sol…! Cómo me gustaría haber compartido tu largo trayecto regalando luz, porque a tu paso acariciaste la vida de mil pueblos, compartiste sus alegrías y tristezas, conociste la guerra y la paz, impulsaste la oración y el trabajo, acompañaste la libertad e hiciste menos dura la oscuridad de los presidios.

A tu paso sol, se adormecen los lagartos, despiertan los girasoles y los gallos cacarean. Se relamen los gatos vagabundos, los perros guitarrean, y el topo se encandila al salir de la cueva. A tu paso sol, hay sudor en la frente del obrero y en los cuerpos de las mujeres cobrizas que alcanzan el cántaro de la favela. Con tus latidos conmueves el mar, das música a la siembra, la usina y el mercado.
A tu paso corrieron en estampida búfalos y antílopes, desperezó el león, se asombró la jirafa, se deslizó la serpiente y voló la mariposa. A tu paso cantó la calandria, despegó el aguilucho, despertó el murciélago y emigró el albatros.

Hola Sol…! Gracias por volver a animar mi vida de artista. Porque hiciste menos sola mi soledad. Es que me he acostumbrado a tu compañía y si no te tengo, te busco por donde quiera que estés. Por eso te reencontré en la Polinesia, cuando te coronaron rey de los archipiélagos de nácar y los arrecifes dentellados de coral, o también en Africa, cuando dabas impulso a sus revoluciones libertarias y te reflejabas en el espejo de sus escudos tribales para inyectarles coraje. Te estoy mirando y veo que no has cambiado, que sos el mismo sol que reverenciaron los aztecas, el mismo de mi peregrinaje pintando por América, el que envolvió la Amazonia misteriosa y secreta, el que me alumbró los caminos al Machupichu sagrado del Perú, el de los valles patagónicos o los territorios del Sioux o del comanche. El mismo sol que me llevó a Borneo, Sumatra, Bali, las islas musicales o los quemantes arenales del Sahara.

A diferencia del relámpago que apenas proyecta en la noche latigazos de luz, desde tu reinado planetario, tus destellos continúan activos, permanentes.

Alguna vez la travesura de las nubes oculta tu esplendor, pero cuando ello ocurre, sabemos que estás ahí, jugando a las escondidas.

Otras veces, en cambio, te vemos sonreír cuando las golondrinas o las gaviotas te usan de papel para escribir las frases de su vuelo.

Gracias Sol, por invadir la intimidad de mi atardecer y zambullirte en mis aguas.
Ahora serás la luz de los peces y su secreto universo submarino. También de los fantasmas que habitan en el vientre de los barcos hundidos en trágicos naufragios.
Gracias Sol…! Por regalarnos esta ceremonia amarilla. Gracias por dejar mis paredes blancas impregnadas de tu fosforescencia.

Entre ventoleras y borrascas, cruzando ciclones y tempestades, lluvias o tornados, pudiste llegar hasta aquí para irte silenciosamente frente a nuestros ojos.
Porque tu misión es partir a iluminar otros sitios. Labradores, estibadores, pescadores te esperan en otras regiones donde la noche desaparecerá con tu llegada.

Y como respondiendo a un timbre mágico despertarás las ciudades, irás junto a los niños a la escuela, pondrás en vuelo la felicidad de los pájaros, llamarás a misa.

A tu llegada, se animará el andamio con sus obreros, cantarán los pregoneros en las ferias, la orilla del río se llenará de lavanderas y entrará la alegría por la banderola de los hospitales.

Chau Sol…! Cuando en un instante te vayas del todo, morirá la tarde. La nostalgia se apoderará de mí y la oscuridad entrará en Casapueblo. La oscuridad, con su apetito insaciable penetrando por debajo de mis puertas, a través de las ventanas o por cuanta rendija encuentre para filtrarse en mi atelier, abriéndole cancha a las mariposas nocturnas.

Chau Sol…! Te quiero mucho…

Cuando era niño quería alcanzarte con mi barrilete. Ahora que soy viejo, sólo me resigno a saludarte mientras la tarde bosteza por tu boca de mimbre.
Chau Sol…! Gracias por provocarnos una lágrima, al pensar que iluminaste también la vida de nuestros abuelos, de nuestros padres y la de todos los seres queridos que ya no están junto a nosotros, pero que te siguen disfrutando desde otra altura.

Adiós Sol…! Mañana te espero otra vez. Casapueblo es tu casa, por eso todos la llaman la casa del sol. El sol de mi vida de artista. El sol de mi soledad. Es que me siento millonario en soles, que guardo en la alcancía del horizonte.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s